Mundo Máquina e suas Promessas

15 de julho de 2009 por Douglas Alves  

O mundo e seu desenvolvimento desequilibrado e insustentável, as ações humanas, os atos irracionais daqueles que se dizem autorirdades numa sociedade cada vez mais singular e capitalista. O número de referências dentro do texto é intencional, algo sem medidas, sem controle, um arsenal de palavras a serem disparadas em todas as direções, em todas as mentes.

O que é corpo?

20 de abril de 2009 por Douglas Alves  

E alguém pergunta “quanto custa o corpo humano?” muitos respondem: “não tem preço”. Embora seja sabido que muitos tem seu preço e que vender o corpo é a profissão mais antiga do mundo. Comercializar órgãos humanos é crime na maioria dos países. Pelas leis brasileiras, o corpo, vivo ou morto, no todo ou em cada uma de suas partes é res extra commercium, ou seja, fora de comercialização.

EMES - Marcelo Camelo

26 de março de 2009 por Douglas Alves  

Às 21h, show “Sou” com Marcelo Camelo (voz, violão e guitarra) acompanhado por Fernando Cappi (guitarra), Marinho (guitarra), Guilherme Granado (vibrafone e teclados), Marcos Gerez (baixo), Maurício Takara (bateria), Rogério Martins (percussão) e Rob Mazurek (trompete).

Cobertura E-life 2009

24 de março de 2009 por Douglas Alves  

E-LIFE; É-VIDA! Aconteceu neste último dia 21 uma das festas mais aguardadas da velha e nova geração sergipana. Para quem curte música eletrônica até a alma, o E-life foi uma válvula de escape que proporcionou diversão e entretenimento de alta qualidade. Uma Rave que durará por muito tempo na memória de quem esteve presente. Os sete DJ´s [...]

Sexo, Drogas e Rock´n´roll ou Amor (?) Anabolizantes e Estampas?

17 de março de 2009 por Douglas Alves  

Sexo, Drogas e Rock´n´roll ou Amor (?) Anabolizantes e Estampas? Outrora tínhamos um objetivo bem claro: liberdade. Ser livre do sistema injusto que aprisiona cidadãos com ideologias, utopias de uma vida real, engendrando o que muitos chamam hoje de “liberdade”. Por que o amor se torna a cada salto do tempo, algo utópico, uma incógnita, surreal. [...]