Projeto “Eu Faço Cultura” (EFC) traz: Nando Reis – Luau MTV – Aracaju (02/11/2008)

O que é o projeto?

O Projeto EU FAÇO CULTURA é uma inciativa da FENAE (Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa) que desenvolve semanas culturais por diversas cidades brasileiras. Os recursos inicialmente voltados para o evento provém de parte do imposto de renda de trabalhadores da Caixa Econômica Federal com base na lei Rouanet de incentivo a Cultura. A proposta é levar cultura para cidadãos num período semanal repleto de atividades nas áreas de Música Popular, Música Instrumental e Produção Musical.

Em Aracaju as atividades acontecem no período de 31 de outubro a 02 de novembro, com oficinas de música percussiva e de música instrumental. Como em todas as cidades o evento é encerrado com um show que tem como presença garantida o grupo de percussão Patubatê e uma atração de renome da MPB. Aracaju foi presenteada novamente com a presença de Nando Reis, num show que acontecerá dia 02 de novembro a partir das 20h no Espaço Emes.

Mais informações (fonte): http://ww4.programapar.com.br/eufacocultura/default.aspx

Patubatê…

PatubatêPatubatê é um grupo que mistura a percussão em sucatas com a música eletrônica. Os instrumentos retomam uma idéia de reciclagem, talvez até a célebre frase “Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma” de Antonie Lavoisier. O som é retirado de tóneis, escapamento de automóveis, latas de refrigentante, entre outros, os músicos são criativos e retiram som de locais inusitados. O Patubatê conta ainda com a interação com as pick-ups de Dj’s e com performances que visuais hipnotizantes.

Patubatê é o resultado de mudanças internas do grupo conhecido anteriormente como SomCatado, mas a criatividade e o entusiasmo permanecem o mesmo.

O que esperar do show?

No ano passado o SomCatado esteve no palco do Emes fazendo a abertura do show de Nando Reis, produzido pelo mesmo projeto da Caixa. Este ano, renomeado, o Patubatê retorna ao mesmo palco trazendo a mesma empolgação que pôde ser observada na apresentação passada. Pode-se esperar deste show um misto de componentes visuais e sonoros envolventes que não vão permitir que você fique somente olhando e ouvindo. O terceiro elemento do show é o movimento do público, contagiado pela música e pela maneira criativa como eles produzem o som e os efeitos do espetáculo. Depois do primeiro contato é raro que não se deseje outros.

Não deixem de prestigiar: http://www.patubate.com/v3. Lá você poderá encontrar todas as informações necessárias para se tornar mais um fã do trabalho do Patubatê.

Nando Reis…

Nando Reis é ex-baixista do Titãs, grupo de rock que marcou história nos anos 80. Atualmente segue carreira solo com a banda Os Infernais. Conhecido como um dos maiores compositores de sua geração, Nando (com toda intimidade) tem suas composições cantadas nas vozes de Cássia Eller, Samuel Rosa, Rogério Flausino, Toni Garrido, entre outros. Emplacado na vida de intérprete, gravou 7 cds, dentre os quais o MTV Ao Vivo e o Luau MTV. Nando Reis retorna à Aracaju depois de mais de um ano, pisando no mesmo palco onde agitou a galera com o show MTV Ao Vivo. No início deste ano, Nando Reis foi uma das grandes atrações do Projeto Verão Sergipe, divindo o palco na mesma noite com Vanessa da Mata. A presença confirmada para a próxima edição do evento não impede os fãs de babarem com a idéia de vê-lo em cena novamente. Ver Nando Reis nunca é demais (perceberam que tem uma fã tentando ao máximo ser imparcial ao escrever)!


O que esperar do show?

O show de Nando Reis é de uma intensidade tão profunda que mesmo distante você se sente em cima do palco. Nando Reis seduz, é a melhor maneira de caracterizar sua apresentação. Há quem diga que ele não é bom intérprete, que ele fala as músicas, que pererê e parará, mas melhor do que ouvir os outros falarem, é ouvir e ver Nando Reis em ação. As músicas são boas, as baladinhas românticas são envolventes. E, mudando de água pro vinho, sabe a “palavra do mestre cervejeiro, não o que faz e sim o que toma”? Então inverte para palavra daquele que vai ao show, não do que faz o show. Vou escrever agora na visão da frequentadora. Na verdade eu não sei se posso falar o que esperar deste show, porque costumo ficar hipnotizada (meu sócio Vinícius pode confirmar). Descrição do primeiro: Nando Reis no Espaço Emes dia 30 de setembro de 2007, copiando as palavras de ‘Ladir’ do Toma lá da cá Nando reis “é maaaaaaaaaaraaaaaaaaaaaa!!!” Indiscutívelmente sedutor, o ruivinho não é nem bunitinho, mas entra num êxtase contagiante quando está no palco. Descrição do segundo: Nando Reis no Projeto Verão Sergipe na Caueira dia 18 de janeiro de 2008, o som na frente do palco estava ruim, mas eu nem queria saber disso! Rs Eu espero bis… Bis de tudo, das músicas lindas, da expectativa, do cansaço, dos gritos, e, principalmente, da sensação de satisfação e do gostinho de quero mais…

Acessem: http://nandoreis.terra.com.br, um site com informações sobre o artista, blog, fotografias, discografia.

Como foi o show?

Domingo, 02 de novembro de 2008, show de encerramento da segunda edição do projeto “Eu faço cultura”. No palco, abrindo a noite, o grupo Patubatê. Irreverente, ousado, criativo, assim é o show deste grupo que envolve o público num espetáculo cheio de efeitos sonoros e visuais. Acompanhados de dois DJs que dão o fundo de música eletrônica ao som da percussão, os músicos do Patubatê vão alternando os instrumentos entre maçaricos e tonéis. Bolas de basquete, carcaça de telefone público, de tudo se tira o som que dá ritmo ao movimento do corpo do espectador. Não tem como não se deixar envolver, seja com olhar admirado ou dançando.

arnaldonando-3134Contagia o modo como os músicos se entregam a musica. Dois momentos a destacar: o primeiro quando Fred Magalhães convida para subir ao palco algumas pessoas que participaram da oficina de percussão e de produção musical ofertadas pelo projeto e ministradas pelo pessoal do Patubatê. O segundo foi quando introduziram água no espetáculo. À medida que Fernando Mazoni tocava num tonel, a água ia jorrando causando um efeito lindo, daí, logo em seguida, Fred Magalhães vira um balde com água em cima dele e sobre a platéia, que grita eufórica. Muito legal! Pode-se dizer que a banda não deixou a desejar, mas em relação ao ano passado este show foi meio curtinho e, apesar da ansiedade em ver Nando Reis, a galera queria mais.

Sai o Patubatê e entra à atração mais esperada da noite, Nando Reis vem apresentar músicas de seu álbum Luau MTV, além de incrementar o repertório com canções de outros CDs.  Começando com “A letra A”, longe da ordem alfabética, pode-se dizer que ocorreu um desenvolvimento crescente de energia e interação entre banda e público. Nando Reis inicia o show sentado num banquinho, e a pergunta é: Por quanto tempo ele iria agüentar manter-se ali? Não custou muito para que extravasasse. Os infernais, a banda que acompanha o músico, faz jus ao sucesso. Competência tocando eles tem, assim como presença de palco e carinho dos fãs não falta. Todo o grupo integrado entra em êxtase e a galera vibra.

Nando ReisO bom do show de Nando Reis é não se limitar necessariamente a ele, enquanto artista em destaque. Das performances das back vocals, que não param um segundo de dançar, até os demais músicos que abusam de estilo e personalidade tocando, tudo merece destaque no show. Nando Reis, nem se fala… Quem escreve aqui é uma fã suspeita que costuma ficar hipnotizada enquanto rola o “espetáculo”. Das “Coisas mais lindas” a “Do seu lado”, não teve pisão de pé que fizesse algumas pessoas enlouquecidas largarem o alambrado que afastava mais o palco do contato público.  O ruivinho seduz e a cadeira logo perdeu sentido no palco, ela ficou vazia e sem função. Nando Reis se entrega, e a galera se envolve e retribui com coro, palmas, mãos pra lá, mãos pra cá e gritos. Momento marcante do show? Tarefa difícil definir. Todas as letrinhas na ponta da língua, galera cantando tudo.  Essa resposta vai de opinião pessoal: “Estranho seria se eu não me apaixonasse por você…”, All Star foi cantada em coro do início ao fim, horas deixada só na voz do povo.

Inexplicavelmente maravilhoso o evento, que repetiu em qualidade os efeitos da edição passada. Superou as expectativas. O público está de parabéns, o Emes estava lotado. A organização do evento também merece ser parabenizada. Agora é aguardar próximo ano, para ver Nando Reis em Pirambu no Verão Sergipe e torcer para que o grupo Patubatê retorne em breve à cidade.

Cobertura: Samara Kenia

Obs: Em breve as fotos serão melhor organizadas e nomeadas

Data

  • 02/11 – 19h – Projeto Eu Faço Cultura

Local

  • Espaço Emes – Aracaju

Atrações

  • Patubatê
  • Nando Reis e Os infernais

9 respostas para “Projeto “Eu Faço Cultura” (EFC) traz: Nando Reis – Luau MTV – Aracaju (02/11/2008)”

  1. Gostei muito da atração, uns dos caras mais inteligente da música brasileira. Simplesmente demais. Vai ser a minha primeira vez num show do Nando, outro dia me perguntei:__ por que não o novo show do Nando aqui em Aracaju?Vai ser do caralho.

  2. Nunca tive o prazer d ir a um show do Nando, há meses venho desejando a presença dele aqui em Aracaju. Quando soube peulei da cadeira do pc! =x kkkkk
    Contando os dias [2]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *